ATUALIZE-SE COM O IMB

Encontre nessa página notícias relevantes do meio jurídico

“Divórcio digital. Veio para ficar?”: vídeo de webinar já está no You Tube
Fonte: IMB / Foto: Divulgação
Data: 28/09/2020

O Instituto dos Magistrados do Brasil-IMB disponibilizou mais um vídeo de webinar no canal do IMB no You Tube (https://www.youtube.com/channel/UCzkBzRC2bnmBacrd6-ce5EQ/videos): “Divórcio digital. Veio para ficar?”. O evento foi realizado no dia 11 de agosto, com transmissão pelo aplicativo Zoom. Conduzido pelo Presidente do IMB, Desembargador Fábio Dutra, o evento teve como participantes no debate os Desembargadores Katya Monnerat e Custódio Tostes, o Juiz Almir Carvalho e o Tabelião Gustavo Bandeira.

 

Os interessados devem se inscrever no canal do IMB no You Tube e ativar as notificações no canal do IMB no You Tube para acompanhar comunicados sobre novos eventos.


Para assistir ao vivo aos eventos, é necessário possuir conta no aplicativo Zoom, onde são realizadas as transmissões. A sua participação, mesmo virtual, é muito importante para o Instituto.


Também se encontram à disposição no canal do You Tube as seguintes Webinares do IMB: “O Impacto da Covid-19 nas Empresas”, “O Impacto da Covid-19 no Mercado Securitário”, “Os Impactos da Pandemia na Judicialização da Saúde Suplementar”, “Os Julgamentos por Videoconferência”, “O Futuro da Justiça e a Justiça do Futuro”, “Compartilhamento da Justiça”, “100 Dias de Covid: Balanço nas Procuradorias Municipais Brasileiras”, “A Prova Pericial Penal em Tempos de Pandemia”, “Magistrados Aventureiros Contando as Experiências”, “Os Impactos da Covid para as Companhias Aéreas e os Casos Varig e Avianca”, “Pena de Prisão: o Romantismo da Ressocialização e a Realidade da Exclusão”, “Ativismo Judicial”, “O Psicopata e a Resposta Penal”, “Entrega Voluntária: Aspectos Relevantes” e “Projeto MM: Magistrados Músicos”, “Concurso para a Magistratura: Filósofos ou Julgadores?”, “Separação de Poderes – Verdade ou Mito”, “O Acordo de Leniência e a Lei Anticorrupção” e “A Execução do Crédito com Garantia Fiduciária e a Relação de Consumo”.

 

topo