Notícias
[Ver + 5 notícias]
Abertura do Ano Judiciário e Posse do Conselho Superior da Magistratura no TJSP com transmissão on line

Fonte: TJSP / Foto: TJSP
Data: 05/02/2018


O Poder Judiciário de São Paulo possui mais de 20 milhões de ações sobre sua responsabilidade – o que representa 25% do total de processos da Justiça brasileira (existem 79,7 milhões, de acordo com o “Justiça em Números 2017” do Conselho Nacional de Justiça/CNJ). Para o atendimento dessa demanda, o novo CSM – integrado pelos desembargadores Manoel de Queiroz Pereira Calças (Presidente), Artur Marques da Silva Filho (Vice-presidente), Geraldo Francisco Pinheiro Franco (Corregedor-geral da Justiça), José Carlos Gonçalves Xavier de Aquino (Decano) e os Presidentes de Seções Getúlio Evaristo dos Santos Neto (Direito Público), Gastão Toledo de Campos Mello Filho (Direito Privado) e Fernando Antonio Torres Garcia (Direito Criminal) – busca na inovação, no dinamismo, na eficiência e na segurança os pilares de gestão necessários à distribuição da justiça clamada pela sociedade.

Em São Paulo os números são sempre superlativos. Há 2.088 juízes, 83 juízes substitutos em 2º grau, 359 desembargadores e 42.826 servidores. Essa equipe apresenta o segundo maior Índice de Produtividade dos Magistrados (IPM) do País, conforme cálculo do CNJ.

Na cerimônia, que conta com a presença de representantes dos Três Poderes, ministros dos Supremo Tribunal Federal e Superior Tribunal de Justiça e do governador do Estado, o desembargador Manoel de Queiroz Pereira Calças assume formalmente o Judiciário paulista, atividade que exerce desde 1º de janeiro. No mesmo evento, também serão empossados os demais integrantes do CSM. Todos terão a importante missão de administrar o maior Tribunal do País.

A Justiça estadual é a mais próxima do cidadão. Ela cuida de temas relacionados ao dia a dia da população, como direito de família, consumidor, crimes, adoções, falências e questões relacionadas à alta Administração do Estado, como improbidade administrativa, contratos etc.

“Todos os dias ratificamos nossa sagrada missão de resolver conflitos da sociedade, para preservação dos direitos por meio do julgamento de processos ou de métodos adequados. Queremos um Judiciário reconhecido nacionalmente como moderno, célere e tecnicamente diferenciado. Vamos trabalhar muito para obtermos excelentes resultados em nossa atividade-fim que é a resolução dos conflitos e a pacificação da sociedade”, diz o Presidente Pereira Calças.

topo